CASA VM

Campos do Jord√£o, SP, 2018, Residenciais

Desenhar uma casa na montanha traz, inevitavelmente, a ideia de ref√ļgio tranquilo e silencioso, cria a expectativa do contato direto com a natureza, da possibilidade de respirar ar puro, de desfrutar do conforto e da contempla√ß√£o da paisagem em temperaturas mais baixas. Neste sentido, o objetivo principal desta proposta √© a cria√ß√£o desta atmosfera idealizada atrav√©s da materializa√ß√£o de um ref√ļgio mediador, entre a cidade e o campo, entre o individual e o coletivo e, principalmente, entre o esp√≠rito e a natureza.

O partido arquitet√īnico adotado segue a modula√ß√£o de 1,20m x 1,20m, √© flex√≠vel e permite sem descaracteriza√ß√£o, a amplia√ß√£o das unidades com 60,00m¬≤ de √°rea e um dormit√≥rio em at√© 15,00m¬≤, este acr√©scimo pode ser utilizado como um dormit√≥rio e um banheiro adicionais, alcan√ßando a √°rea m√°xima a ser constru√≠da de 75,00m¬≤. Estas habita√ß√Ķes desfrutar√£o de maior √°rea social, pois o fechamento oposto ao dormit√≥rio existente estar√° alinhado com a parede de fundo da √°rea de servi√ßo, ampliando este espa√ßo em meio m√≥dulo no sentido longitudinal.

A organiza√ß√£o do programa de necessidades desta casa √© muito simples, o arranjo proposto integra as √°reas sociais e de servi√ßo compostas por salas de estar e jantar, cozinha e √°rea de servi√ßo, em um √ļnico espa√ßo que funcionar√°, ao modo da casa bandeirista, como uma pra√ßa central de distribui√ß√£o para os dormit√≥rios, banheiros, varanda coberta e terra√ßo descoberto. A posi√ß√£o do fogo nesta pra√ßa indica a mudan√ßa de dire√ß√£o da circula√ß√£o longitudinal para o sentido transversal, neste eixo, as √°reas molhadas est√£o concentradas e reduzidas ao m√≠nimo poss√≠vel. O desejo de aproxima√ß√£o da paisagem exterior com o interior da casa tem como reflexo o desenho de grandes v√£os que emolduram a natureza nas quatro fachadas da habita√ß√£o, vale destacar que os dormit√≥rios ter√£o janelas laterais que se estendem para os banheiros al√©m da generosa abertura para a varanda coberta.

A necessidade de reprodu√ß√£o desta unidade foi determinante na escolha do processo construtivo que, aliado √† organiza√ß√£o dos espa√ßos em fun√ß√£o das aberturas, tornam a unidade capaz de se acomodar √†s diferentes geografias dos lotes dispon√≠veis. Al√©m desta independ√™ncia entre casa e terreno, o sistema de ventila√ß√£o cruzada proposto para as quatro faces, permite buscar as melhores orienta√ß√Ķes oferecendo maior efici√™ncia t√©rmica e energ√©tica para a edifica√ß√£o. A hip√≥tese de implanta√ß√£o aqui sugerida demonstra apenas o caso do Lote T√≠pico A, no entanto, √© poss√≠vel verificar que esta implanta√ß√£o, com a casa ligeiramente deslocada para uma lateral, possibilita a aplica√ß√£o do mesmo dispositivo de circula√ß√£o vertical para vencer ora os declives, ora os aclives dos diferentes lotes. Ao manter o fluxo de acesso na lateral da unidade e a entrada principal pelo terra√ßo descoberto, a varanda coberta estar√° protegida pelos diferentes desn√≠veis e garantir√° maior privacidade para as √°reas dos dormit√≥rios e sala de estar.

A quest√£o econ√īmica exige a aplica√ß√£o m√≠nima de insumos e opera√ß√Ķes de obra e tr√™s elementos fundamentais foram eleitos para esta constru√ß√£o: a madeira, o vidro e o metal. Desta maneira, para a estrutura, piso, cobertura e parte dos vedos ser√£o utilizados aproximadamente 14,00m¬≥ de pain√©is CLT (Cross-Laminated Timber) com espessuras de 5,7cm a 10,00cm sobre uma plataforma seca de pain√©is Wall apoiada em perfis met√°licos. Al√©m da durabilidade e maior responsabilidade ambiental por usar madeira reflorestada tratada, este sistema construtivo oferece maior velocidade na execu√ß√£o da obra devido ao processo industrializado de pr√©-montagem dos elementos na f√°brica e posterior instala√ß√£o no lugar.

O sistema de pain√©is CLT dispensa a utiliza√ß√£o de outros materiais de revestimento em suas superf√≠cies internas sendo suficiente apenas a aplica√ß√£o de verniz, as √°reas molhadas necessitam de maior prote√ß√£o, e ser√£o utilizados como revestimento l√Ęminas de f√≥rmica e piso vin√≠lico sobre base Wall. Na parte externa a os pain√©is de CLT ser√£o protegidos com a instala√ß√£o de aproximadamente 128,00m¬≤ de telhas onduladas de alum√≠nio pintado na cor preta sobre manta transpirante e, o fechamento restante da casa, ser√° feito com a instala√ß√£o de 34,00m¬≤ de caixilhos de alum√≠nio pintados na cor preta com vidro temperado de 8mm, alternando entre portas de correr e janelas tipo maxim-ar. Para os pisos da varanda coberta e terra√ßo descoberto est√° previsto o uso de 15,80m¬≤ de deck sint√©tico sobre perfis met√°licos.

A forma resultante revela uma singela cabana com duas √°guas e fuma√ßa da lareira, met√°lico por fora e acolhedor por dentro, preto para captar mais calor, madeira para armazen√°-lo. ‚ÄúA natureza volta a ser ali um meio cont√≠nuo no qual todas as fun√ß√Ķes urbanas est√£o¬†dispersas¬†e isoladas sob a forma de¬†unidades reduzidas. O alojamento √© individual [...] os ocupantes se dedicam √† agricultura e aos lazeres diversos. Todas as c√©lulas est√£o ligadas e¬†religadas¬†entre si por uma abundante rede de rotas terrestres e a√©reas: o isolamento s√≥ tem sentido se pode ser rompido a qualquer momento‚ÄĚ. Broadacre City, Frank Lloyd Wright.

Ficha Técnica

Projeto

CASA VM

Data

2018

Local

Campos do Jord√£o, SP

Arquitetura

Christiane Costa Ferreira, José Maria de Macedo Filho e Ricardson Ricardo

Colaboradores

Matheus Pardal